English

 O Ribel

 
Categorias


  Todas






  Poema





3 de abril de 2023
 Título: O Ribel
 Descrição: Preparação do tradicional Ribel.
 Local: Treze Tílias, SC
 Data do Registro: 28/08/2021
 
      Preservando a tradição dos antepassados, quinzenalmente, casais de amigos da cidade Treze Tílias, Meio Oeste catarinense, realizam encontros onde preparam e servem o Ribel; um alimento que era comumente consumido entre pessoas menos abastadas ou famílias de agricultores das montanhas do Tirol, na Áustria. Os encontros acontecem em diferentes residências alternando-se entre os casais do grupo.

      A partir de um saber-fazer trazido pelos antepassados imigrantes austríacos, esse prato simples, feito à base de farinha de fubá, leite, manteiga e sal, é preparado e consumido de acordo com os costumes de cada família; que algumas vezes era consumido com açúcar acompanhado ou molhando no leite, outras vezes salgado misturado com queijo. De acordo com a tradição, a preparação é feita exclusivamente pelos homens, e como talher para comer é utilizada apenas uma colher; exatamente como faziam os antigos trabalhadores da Áustria.

      Em 26 de agosto de 2021, na residência do casal Sra. Eva e Sr. Érico Klotz, precisamente às 19h00 fui recebido para participar de uma janta do ``Grupo do Ribel``. Tive a oportunidade de assistir a sua preparação (de certa forma adaptada a esses tempos de maior fartura) com queijo e salame. De acordo com a tradição, após o preparo, imediatamente os pratos foram servidos e consumidos; tendo como acompanhamento café ou café com leite. Após a janta foram servidas sobremesas: gelatina colorida e torta de doce de leite com cobertura de nozes, tudo muito delicioso!

      Percebi uma grande integração entre os membros do grupo na janta que participei. Como se fossem parte de uma grande família, naturalmente emergem com grande interesse lembranças de muitas histórias e fatos acontecidos na comunidade, trazendo à tona sentimentos: alegrias, tristezas, saudades e tantas outras emoções.

      A senhora Eva Klotz, integrante do grupo, relatou que: “Atualmente o ``Grupo do Ribel`` é formado por amigos e tem periodicidade quinzenal. Na origem na Áustria era feito pelos homens, os lenhadores. Possivelmente usavam colher para comer por ser o único talher disponível. Hoje em dia continua sendo feito pelos homens para honrar a tradição e também para agradar as mulheres. Quem iniciou o grupo em Treze Tílias foi o Max Fitl. ... No início em Treze Tílias o grupo era formado só por homens: o Max Fitl, André Moser e mais alguns. O meu marido Érico e o Edu foram no encontro na última vez que o Max fez. A partir daí eles resolveram continuar com as esposas. ... E aqui no Brasil, como nossos pais eram imigrantes, no tempo que a gente era criança, a gente comia o Ribel, porque nós não tínhamos mercado pra ir comprar comida; nós comíamos o que a gente produzia em casa.”

      Já a senhora Lori Ludescher Sauer lembrou que: “O Ribel não é só do Vorarlberg, ele é do Tirol, das montanhas da Áustria. Porque quando os homens iam fazer lenha tinha que ser uma comida fácil de fazer, e que os sustentasse naquele serviço. Também nos pastos, no alto das montanhas, ali eles também faziam o Ribel porque eles tinham que carregar tudo pra cima. Antigamente não tinha carro pra levar as coisas pra cima, era tudo nas costas. Então eles levavam o básico. Lá em cima eles tinham leite, banha, manteiga, queijo. Eles se sustentavam com isso. Era uma comida forte, que dava força pra aguentar o trabalho. Por isso também os homens. Porque lá geralmente ficavam os homens o verão todo na montanha e comiam o que produziam; da mesma forma que os colonos também. Antigamente não tinha supermercado onde você comprava tudo que precisava. As pessoas comiam o que produziam nas colônias. Essa tradição é bem antiga. ... O fato de hoje os homens ainda fazerem é porque as mulheres gostaram da tradição. É bom assim né? ... Antigamente, como dizem, no mercado você não achava quase nada, só tinha o básico mesmo. E daí todo mundo comia o que produzia e o que tinha: banha, carne de porco geralmente; mas o forte mesmo era o Ribel, o Schmorn (ou Kaiserschmarrn), os Knödeln... comidas que eles faziam com o que tinham”.

      São memórias da história de um povo, do seu cotidiano, de seus hábitos e costumes, que ao longo do tempo se tornam tradições, são incorporadas à dinâmica de vida das pessoas e transpõem gerações. Gerações como os descendentes austríacos de Treze Tílias, que mesmo distantes da terra natal de seus antepassados ainda relembram com carinho e respeito aspectos significativos do modo de vida e a dura realidade que eles tiveram que superar. Descendentes que hoje vivendo outra realidade e em tempos muito mais promissores, dão continuidade a celebrações como essa de preparar o Ribel: um evento que faz parte de suas vidas, de suas famílias e de sua comunidade. Um momento ritual no qual partilham juntos alimento e sentimentos. Sentimentos que trazem no coração e que, talvez, pelo encontro com o outro: aquele que tem as mesmas origens, a mesma história e os mesmos costumes, é que seja possível restaurar e restabelecer laços de pertencimento: para si, para o outro, para o grupo e para o coletivo.

“É através dos ritos que restauramos e restabelecemos nossos laços de pertencimento”


      Fico imensamente honrado pelo convite que recebi da amiga Dirlei Barbieri Rofner para participar do jantar do ``Grupo do Ribel`` em 2021. Foi realmente um momento de grande valor cultural, como também, de aprendizados.
      Agradeço aos anfitriões da noite: Sra. Eva e Sr. Érico Klotz. Tenham a certeza de que foi uma experiência muito gratificante e inesquecível para mim.
      Grande abraço a todos!


Referências
- Riebel (Vorarlberg Riebel)
https://www.tasteatlas.com/riebel
Acesso em 01/04/2023 às 08:53
- Vorarlberg Riebel
https://www.vorarlberg.travel/en/activity/riebel-recipes-2-2/
Acesso em 01/04/2023 às 08:55
- MARINHO, Katarzyna Bortnowska; “A Tirolerfest de Treze Tílias/SC: uma manifestação cultural e gastronômica”; Dissertação do Curso de Turismo e Hotelaria; Orientação: Profª Dra. Anete Alberton; Universidade do Vale do Itajaí; Balneário Camboriú, SC; 2013.
- MARINHO, Katarzyna Bortnowska e ALBERTON, Anete; “Comida local e memória gustativa: percepções na Tirolerfest de Treze Tílias/SC”; Artigo apresentado no X Seminário ANPTUR - X Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo; Caxias do Sul, RS; Outubro/2013.


Agradecimentos Especiais
- Ana Cláudia Alleotti
- Dirlei Barbieri Rofner
- Érico Klotz
- Erna Klotz Zuffo
- Eva Klotz
- “Grupo do Ribel” de Treze Tílias
- Lori Ludescher Sauer
- Vanessa Nesso Volaptti


Localização
- Treze Tílias, SC: Geo Code 27° 00` 00`` S 51° 24` 27`` O - Altitude 796 metros


Contato
Secretaria de Turismo Indústria e Comércio
Rua Pedro Nelcido Käfer, 115 - Treze Tílias, SC
Fone: +55 (49) 3537 0997

 


  © 2024 Copyright de Ruy Machado. Todos os direitos reservados.